31 agosto, 2009

27ª prancha!

Ora, fechamos o mês com nova ossada para a formação do ´Cadavre e com ela temos um novo autor estreante. O Daniel Ferreira é um jovem lisboeta, estudante de Design de Comunicação no IADE, e na sua página 27 deu continuação à invasão do “covil” de Óscar pela nossa heroína Evelina, e pela primeira vez apresenta-nos o mordomo robot Alfredobot 300 (visto antes na 26ª prancha e ouvido na 10ª)…


No seu blog podemos encontrar amostras de trabalhos, embora as primeiras BDs sérias que produziu tenham sido duas pranchas auto-conclusivas feitas para o nosso projecto, para apresentação de portfólio. Uma delas, que figura o personagem Óscar, está disponível aqui abaixo.


Nova página do 'Cadavre na 4ª-feira. Continuem sintonizados!

9 comentários:

Véte disse...

Não sei até que ponto estarei a ser um pouco severo, mas vendo as pranchas, acho que podemos cocluir uma de duas coisas:1)ou os autores são mesmo novos e ainda têm muito a aprender -o que não deixa de ser verdade-, ou 2)Tanto os novatos como os menos novatos não se estão a esforçar minimamente. Isto não se aplica a todos os trabalhos, pois já vi aqui coisas muito boas, mas acho que alguns dos autores se podiam ter esmerado mais. Digo isto, porque tenho três projectos em mão nos quais preferia ter estado concentrado, e no entanto trabalhei ao máximo (mesmo excedendo o prazo de entrega) para tentar entregar algo com um minimo de qualidade. Esforcei-me. E se fosse preciso voltaria a fazê-lo. Mas parece-me que muitos não estão a fazer grandes esforços nesse sentido o que acaba por prejudicar a qualidade da obra no conjunto. Será que tenho razão? Ou será apenas impressão? Desculpem lá o desabafo,e não levem a mal. Abraços, Véte

CC - Cadavre Exquis disse...

Oí! Bom, não deixa de ser verdade, há sempre casos e casos, mas pelo que vejo é mais uma questão de alguns participantes serem ainda “verdes” no que toca à BD – temos tido estreantes absolutos; o que se é positivo por um lado, acarreta ligeiras consequências por outro – e o que nos apresentam é já o seu mais esmerado trabalho. No caso do Daniel, ele até foi um compincha e após lhe criticar a 1ª proposta feita, sem problemas acedeu voltar atrás e repensar melhor a ideia, apresentando algo mais conseguido do que originalmente previsto.

Depois, algo que acho caricato e que costuma ocorrer quase caso sim, caso sim, é os autores patinarem um pouco inicialmente ao lidar com o desafio do projecto. Muitas vezes só *após* terem participado é que apanham o jeito da coisa e aí ficam com ânsia de poderem intervir de novo, para apreciarem melhor a experiência e quiçá se saírem melhor nela também. É uma espécie de The Game (do David Fincher) ;)
Tomando outra vez o caso do Daniel por exemplo, a 1ª proposta dele era mt estanque e quase receosa, tendo-se soltado bastante mais a seguir…

É também por isso que isto é uma experiência.

De resto, um “sindroma” geral, que ñ deixa de ser caricato, é que mto raramente o pessoal *arrisca* na sua prancha, dando uma continuação mais aberta e/ou ousada. E isto do arriscar tem que se lhe diga, pq continua a ser necessário manter-se uma continuidade e coerência inter-BDs… É por isso que é um “desafio” ;>

antonio disse...

Véte para ser franco, não achei que a tua prancha fosse muito melhor que a deste ou de outros autores.
Tens más experiencia, mas dás erros tão graves como os de outro autores mais novátos, Repara na 1ª vinheta da tua prancha e na ultima também, para não falar das figuras humanas.

Véte disse...

Tens toda a razão.Mas acho que não percebeste muito bem o que eu escrevi. Lê lá outra vez.Fala sobre esforço, fala em dedicação, fala sobre o amor incondicional que um autor tem de ter para continuar a trabalhar neste campo em que somos pisados e esmagados pela critica, se não fizermos poemas de m#»%a ilustrados para os pseudo-intelectuais que se auto-intitulam criticos de bd. É só isso. Acho que temos de dar o nosso melhor, e acho que nem todos estão a conseguir (por motivos diversos)! "O meu maior critico sou eu próprio", não esqueçam esta frase, pois se assim não for, dificilmente iremos a algum lado. (Dai o meu post inicial a queixar-me dos ultimos dois quadrados!). ;)

João Pereira disse...

Eu acho que é um risco que está subjacente no próprio projecto.Assim como em tudo em que é necessaria coperação haverá sempre pessoa em que se dedicam mais ao projecto do que outros.Eu próprio participei ja no projecto nas paginas iniciais e se fosse agora acredito que poderia estar muito melhor.Além disso conheço o Daniel(autor desta ultima página) pessoalmente e não acho que ele não se tenha aplicado nela é apenas o seu estilo de desenho e se ele ainda não está no seu melhor é esperar que evolua e melhore.
Abrç

Véte disse...

Espero não ter desanimado ou ofendido ninguém com as minhas lamurias do costume, e espero por isso mesmo poder ver mais trabalhos do Daniel (e não só) no futuro. Até porque neste meio dificil só evoluimos com muito trabalho, por ser um meio muito exigente. Abraços a todos/as e continuem a desenhar.

CC - Cadavre Exquis disse...

António, acho que o que o Véte quis dizer é que nota um decréscimo de qualidade nas BDs *face* ao que os autores já fizeram ou poderiam fazer. A meu ver, quando se comenta a “falta de empenho”, é nesse prisma que se o contextualiza e não em relação à qualidade em autores de renome, naturalmente.
A única coisa que devo dizer em defesa do Véte, e fugindo ao tópico do comentário, é que, não obstante eventuais detalhes aqui ou ali, a prancha dele está bastante trabalhada sim, desde a atenção que deu aos tons cinza (facultativos), às sombras etc; aliás, conhecendo o traço do Véte desde cedo no inicio do percurso dele, noto facilmente numa evolução da parte dele.

Dito isto, Véte, nota que é bem provável ainda podermos vir a ter participações dessa ordem que apontas, algo oníricas e líricas. Se for a onda do autor em causa e a ideia encaixar bem na continuidade do projecto, não há porque censurar… ;)

Mais: aproveito para dizer que não me incomoda muito, enquanto organizador, que as pranchas fiquem aquém da qualidade possível.Claro, é sempre mais recompensador de todo o nosso esforço (o dos autores envolvidos, idos e vindouros, e o meu, na coordenação disto tudo) e interessante para a iniciativa receber uma boa surpresa, uma BD com qualidade q.b. – técnica ou conceptualmente. Mas também há que ver que se pode mais tarde retocar as páginas que tenham deixado a desejar; já foram vários os autores que me abordaram sobre isso, para quando for preparar a edição compilada do Cadavre.

…Aliado a isto, não se estão a esquecer que está em jogo um prémio, certo?? No lançamento da iniciativa, disse que no final do projecto havemos de fazer uma petição inter-participantes, para eleger aquela que a maioria achar ter sido a página mais conseguida. A esse mais esmerado (gráfica ou textualmente) autor/a, será entregue um prémio (de valor por determinar)!
Isto, obviamente, não é de todo o propósito do projecto – razão pela qual talvez não o tenha relembrado mais vezes – mas servirá para motivar um pouco os colaboradores e para que, apenas a título de curiosidade, vejamos quais pranchas todos nós mais gostámos.

Mto obrg a ambos pelos comentários.

DM

Véte disse...

Há prémio? Pá, não sabia!!! Iiiihh, se eu soubesse tinha ficado mais uma semana a retocar a prancha! :) eheh (mas agora a sério... não me lembrava disso! é uma cena fixe). E a ideia de poder "dar um toque" nalgumas pranchas antes de ser publicado também é muito bom. Dá para corrigir algumas coisas, ou pôr uns cenários onde não existam e façam falta ;)
Falando nisso... vou desenhar! Abraços a todos... e todas!

Daniel Maia disse...

LOL ...retoques, mas com moderação.